12.8.02


Eu já estaria totalmente morto se fosse apenas "normal". Já teria certamente sido assassinado pelas regras e pelas dores dessa horrorosa banalidade cotidiana. Teria cometido o mais estranho suicídio possível — se fosse comum. A monotonia é uma corda sem graça que as pessoas carregam no próprio pescoço, como se fosse uma correntinha de ouro falso, metáfora de grilhões desesperados. Esse estranho suicídio gradativo, cotidiano, é o mais fatal, porque permite — diariamente — a simulação refinada e estúpida de uma "vida" que já não há.

E vocês nem percebem...