18.1.02


Sei que preciso acelerar o acontecer das circunstâncias, tenho que aumentar o tamanho e a freqüência dos fatos que me circundam, trazer Deus em pessoa para jantar comigo às vezes, tomar um vinho com Ele, inundá-Lo de carinho, gratidão e gostosura.

— À luz de velas!

Deus sempre foi generoso comigo, mas.

Tenho que resistir aos ataques da mediocridade quotidiana e me afastar da jacarezada. Quero encher de glória os buraquinhos que os ratos pensam fazer no pão da minha vida. Preciso reagir, tornar-me um subversivo, abandonar as hienas, jogar fora tudo o que não presta, refinar as relações, multiplicar o que me eleva.

Sei que o principal sobrenome do amor é ilusão.

E sei também que ser livre é fundamental.

Portanto, se eu tiver que um dia me desfazer de todos os meus bens, a liberdade será o último deles.